Marco Aurelio Seta
Sem categoria

OCDE: Taxas de matrícula e acesso à educação

Dados comparativos sobre educação nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e parceiros mostram que, no Brasil, as taxas de matrícula têm crescido fortemente para todos os grupos de idade da pré-escola e anos iniciais do ensino fundamental, mas permanecem abaixo da média da OCDE para todos os grupos de idade.

Comparado ao conjunto de países analisados também, o Brasil tem uma baixa proporção de população com ensino superior completo (13% em 2012 na população entre 25 a 64 anos, contra 33% nos países da OCDE e parceiros), como pode ser visto no gráfico abaixo. O percentual da população de 25 a 64 anos cuja escolarização está abaixo do nível médio atingiu 55% da população do Brasil em 2012 e 24% em 2012 nos países da OCDE e parceiros.

Xvz1rJXng2W973oWFM8x4euP6IulUfgcgUew4xJK_ql_t0pn9hTAW83559rSrd94cisd3y560k5i9TfH1W6eg2j2yM4_lkAgJwojyTS2BRJcRuGtBi5LvFdbZQ=s0-d-e1-ft

Apesar dos avanços nos últimos anos, países como Coreia do Sul, Polônia e Japão deram um salto muito maior que o Brasil, que tem na verdade o quarto menor crescimento da lista dos países analisados.

A comparação internacional permite situar os esforços do Brasil na área da educação e mostra que, apesar dos avanços, ainda são muitos os desafios para aumentar a taxa de matrícula e o acesso à educação no país.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Secured By miniOrange